Comunicados Europeus sobre ensino e formação profissional (EFP)

Aqui pode encontrar documentos Europeus relevantes para o desenvolvimento de prioridades políticas, mutuamente acordadas, no âmbito do ensino e formação profissional (EFP) nos Estados-Membros da UE.

Processo de Copenhaga e desenvolvimentos posteriores

Os ministros responsáveis pela área do ensino e formação profissional da União Europeia, dos países candidatos, da Islândia, da Noruega e do Liechtenstein, reunidos em Riga, subscreveram as novas prioridades para a cooperação europeia no domínio da educação e da formação.

Conclusões do Conselho e dos Representantes dos Governos dos Estados-Membros, reunidos no Conselho, sobre as prioridades da cooperação Europeia reforçada em matéria de ensino e formação profissionais no período de 2011-2020

Comunicado dos Ministros Europeus do Ensino e Formação Profissionais,  dos parceiros sociais europeus e da Comissão Europeia, reunidos em Bruges, em 7 de Dezembro de 2010, para rever a abordagem estratégica e as prioridades do processo de Copenhaga para 2011-2020.

Comunicado dos Ministros Europeus do Ensino e Formação Profissionais, dos parceiros sociais europeus e da Comissão Europeia, reunidos em Bordéus em 26 de Novembro de 2008 para rever as prioridades e estratégias do processo de Copenhaga.

Comunicado dos Ministros Europeus da Educação e da Formação Profissional, dos Parceiros Sociais Europeus e da Comissão Europeia, reunidos em Helsínquia, em 5 de Dezembro de 2006, para rever as prioridades e estratégias do Processo de Copenhaga.

Prioridades futuras da cooperação Europeia reforçada em matéria de Ensino e Formação Profissionais (EFP) (Revisão da Declaração de Copenhaga de 30 de Novembro de 2002).

Declaração dos Ministros Europeus do Ensino e Formação Profissionais, e a Comissão Europeia, aprovada em Copenhaga em 29 e 30 de Novembro de 2002 sobre o reforço da cooperação Europeia em matéria de Ensino e Formação Profissionais.
Lançado em 2002, o processo de Copenhaga visa melhorar o desempenho, a qualidade e a atratividade do ensino e da formação profissionais (EFP) através de uma cooperação reforçada a nível europeu. O processo baseia-se em prioridades mutuamente acordadas, revistas de dois em dois anos.